Pacto de Família (criatividade -0) by Pudim Maniqueísta

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Pacto de Família (criatividade -0) by Pudim Maniqueísta

Mensagem por J em Ter Abr 25, 2017 3:46 am

Olha, essa sinopse tirei da minhas nádegas hoje, por isso se tiver comentários ruins ou se vierem quiser me enrolar dizendo: "olha, adorei a história, só que todos os seus vícios estão aí e eu adorei mto, sério estou sincero", por favor dizem que tá ruim se estiver no agrado de vcs, fiz isso numa tarde sem nada pra fazer, pelo menos tenho a minha desculpa...


Rio de Janeiro. 1994. Copa do Mundo, a grande paixão do brasileiro estava em alta nesse momento. Segurança, pobreza, desigualdade dão uma trégua mental nos brasileiros para quem sabe um pouco ter um motivo para olhar para frente e sorrir... Bem, nem todos estavam felizes assim. Bráulio (Mateus Solano) é um médico respeitável pela ética que possui, filho de uma família dona do hospital mais prestigiado da cidade, o Santa Islândia. Porém, apesar de prestigiada, sua família possui pavios, pólvoras e tabus internos que impedem de ser apenas “outra qualquer”. Claro, pela superfície pode se dizer que sim, mas no seu cerne é cheio de aparências, onde o primeiro plano se opta por um narcisismo abstrato onde os sentimentos são sufocados por aparências. Essa frase se resume toda a matriarca da família, Susana (Regina Duarte). Sempre foi rica, se gaba por ser um dia cortejada por Dodi Al-Fayed mas ele preferiu Lady Di do que a Duquesa da Gávea (alcunha de chacota ou de estima, que seja), se recorda claramente no dia do icônico acidente. “Pelo menos sei me comportar como uma lady e dirigir bem feito um caminhoneiro fugindo de blitz. Versatilidade... São essas coisas mínimas que nos livram de um destino que é um fervoroso calouro em física, princípio de ação e reação...” foi o que sua voz rouca e embebida do seu bom e velho drink dinamarquês disse anos depois, que a fez ganhar sua crescente notoriedade pela cidade. Susana é casada com o médico já aposentado muito mais velho que ela, obviamente. Submissão à realidade é uma expressão em aramaico para o vocabulário dela, ainda jovem se casou com um viúvo, Eugênio (Reginaldo Faria) para conseguir ter sua vida sem obstáculos. Eugênio é completamente subjugado à esposa, que toma todas as atitudes em seu lugar. Talvez se culpe pela infelicidade dos filhos pela sua completa omissão em impedir o controle excessivo da sua esposa nos próprios filhos, ele sempre soube que o grande amor de Susana sempre foi o próprio. O casal, além de Bráulio, tem a determinada fotógrafa Débora (Bianca Muller) e o imprevisível Ulisses (Bernardo Marinho). Débora é o único membro da casa onde consegue se alegrar num ambiente com controle excessivo e brigas constantes, seu sorriso contagia os membros da casa, exceto Susana que tem uma rivalidade não declarada pela a filha pela a atenção de Eugênio. “A flor mais linda do jardim” essa é a expressão dita sempre pelo patriarca com a sua doce filha que não entende os motivos da mãe para odiá-la, mas um amor pode sanar ou aumentar ainda mais as divergências entre as duas. Ulisses é casado com Olívia (Bárbara França), uma jovem traumatologista e confidente de Bráulio, já que os dois foram criados e estudaram juntos de uma maneira que praticamente se enxergam como irmãos, mesmo com a diferença de idade entre os dois. Ele sente muita pena dela e sempre pede para que ela se separe do irmão inconsequente, que só a faz sofrer com traições constantes e até mesmo agressões. Porém, Olívia ama excessivamente e ultrapassa limites com isso, suportando tudo para conseguir ao menos dormir ao lado dele ou sentir o cheiro do marido, até chegou ao ponto de usar uma peruca e se vestir como uma prostituta no quarto para o marido achar que estaria transando com outra mulher e não com ela, pois seu amor é notavelmente desmedido. Bráulio é casado com a melhor “amiga” de sua mãe, quase versão pocket dela praticamente. Lídia (Simone Spoladore) sempre é vista como uma perua bem humorada que sempre é lembrada pela sua presença forte e alegre... Quando Susana não está por perto, obviamente. Lídia se cala e fica sempre presente para o que vier para ser o saco de pancadas e zombarias da sogra, critica seu mau-gosto, fala que se veste como brega e até mesmo é alvo de críticas de corpo, Lídia sempre sorri e acata como um verdadeiro pincher com lantejoulas. Apesar disso, ela e Bráulio nunca foram íntimos, apenas tiveram filhos por via in-vitro, pois eles inventaram que tinham “problemas de fertilidade”, mas na verdade os dois quase nunca transavam, não havia um elo notável de um casal. Lídia sempre foi mais uma analista do que uma mulher para Bráulio. Os dois sempre tiveram consenso que não se amavam e por isso eles tinham uma intimidade estranha, não era de um casal, mas como dois companheiros firmes de quarto, de viagem, de trabalho e consequentemente de vida. Eram grandes amigos num teatro de fantoches que era feito para o entretenimento de Susana.

Num jogo fervoroso da seleção brasileira na copa, Bráulio andava sozinho pela avenida vazia e silenciosa pelo fluxo (se é que pode falar fluxo) baixo de carros, afinal quem seria louco de perder um jogo da seleção para estar passeando à noite? Ao menos um estava lá, só que num grau de loucura ainda maior, já que deixou o carro no hospital e resolveu ir a pé de Santa Teresa até a Urca... Um caminho bem longo, mas era isso que Bráulio precisava. Tentava ver se o vento que batia em seu rosto levasse numa mesma velocidade sua infelicidade com a sua vida, que não era ruim e nem boa... Era apenas indiferente. Precisava de uma pincelada forte na sua rotina, parecia que todos os dias se passava uma demão incolor... Logo ao pensar nisso, ironicamente viu uma jovem saindo de um ônibus vazio e com um motorista apressando a moça a sair de uma velocidade tremenda e nem era preciso saber o motivo. A moça deixa cair o troco no chão e Braúlio corre para pegar os centavos que por ela deixariam ali mesmo, não valiam quase nada pois era câmbio de cruzeiro para reais. Luísa (Sophie Charlotte) e Bráulio se entreolham, agradecem um ao outro mesmo sem nenhum gesto de gentilidade feito dela com ele. Logo pelo sotaque, sabia que Luísa era do interior e veio para tentar a vida no Rio, que era verdade. Luísa era uma garota que assim que perdeu os pais se mudou para se estabelecer, indo pelo caminho de várias outras. Hoje ela se produziu melhor em busca de um cliente mais animado por uma vitória da seleção, pois quanto mais um cliente está alegre, a gorjeta sempre é maior. Bráulio se encanta pela a história de vida que hoje seria tão repudiada por um rumo fácil (que na verdade, não é, e nunca foi) escolhido, já na hora de contar a sua história para a prostituta do sorriso mais lindo que já viu... se gela e resume sua em vida em breves 15 segundos, sem dizer família, origem, amizades.. apenas disse o que trabalhava ou o que interagia ao redor. Quinze segundos que na cabeça de Luísa se passou muita coisa como visões de que seria se estivesse naquela situação do seu cavalheiro que lhe acompanha até o calçadão de Copacabana. Na ida até o estabelecimento público da jovem, eles param numa farmácia, num consenso de que os dois iam comprar remédios para dor de cabeça para opostas jornadas de trabalho, uma começando e outra já no fim. Enquanto ele ia ao caixa, Luísa pede outra medicação especial, que não era para uma simples dor de cabeça, pois numa escala especial não era algo em mente que seria esgotado, mas no corpo sim, esse foi forçado tantas vezes... Era o quarto resquício de aborto em Luísa, simplesmente deixava que clientes a submetessem em situações mais casuais em troca de mais uma gorjeta que lhe faria a diferença, mas que lhe regia um esforço maior. Quando chegaram ao local, ele então lhe pede uma hora... Mas não do que o ofício dela servia naturalmente, mas que fossem uma hora de conversa, de confidências, desabafos e uma troca mútua de imaginações de como seria a vida um do outro se seguissem outras escolhas... Então o amor chegou para ambos, num quartinho dos fundos numa pizzaria em que tinham que interromper sempre a conversa em meio a gritos de jogadas malsucedidas. Então em meio ao silêncio do fim do jogo, veio o começo do amor ambos, que selaria um pacto sentimental e quem sabe abstrato entre o casal.

Na mansão da nobreza carioca dos Hafni, Susana se prepara para uma festa... Claramente não era por causa de futebol, afinal, a mesma acha o esporte mais estúpido que existe. É a chegada de Míriam de longa estadia em Juneau, onde foi para fotografar portfólios, mas era apenas desculpa para apreciar os famosos habitantes da terra da lenha, voltou de mãos vazias, porém, marcadas pelos machados sentimentais em que eles cravaram em seu coração. Ao vir no trânsito vazio do RJ, estava desconfiando da recepção calorosa da mulher que preferia fazer uma comemoração pela primeira tosa do manga larga do que para ela pela suas experiências anteriores, mas hoje talvez ela esteja com vontade de ser mãe e ser uma pessoa melhor. Na festa, a demora de Bráulio é notada pela matriarca, mas que logo é esquecida pela vinda de Ulisses completamente fétido a manhattan’s de uma balada qualquer. Olívia que vinha quase correndo no carro para ir para a festa e ter mais uma ilusão de que poderia ter uma vida normal de esposa como outra qualquer, se depara com a situação esdrúxula e simplesmente recolhe o marido para o quarto para cuidá-lo. Lídia chega com um vestido deslumbrante da escada cristalizada da enorme mansão, que logo vira uma oportunidade de alívio cômico numa festa problemática. A cinderela de papel laminado foi a expressão que mais rondou a conversa dos convidados e que também fez Lídia voltar rapidamente para o quarto para cuidar do filho Hugo. Míriam chega e logo sobe ao palanque do jardim para que Susana possa enfim se gabar para conseguir não só uma notinha de rodapé numa verso de jornal, mas uma pretensiosa capa de revista, talvez. Míriam deixa de ficar tão inquieta quando presta atenção no novo motorista da família, Selton (André Bankoff), seus olhos saltam e quando terminam as boas-vindas inúteis, ela vai ao encontro dele e se admira pelo seu jeito sensível, mas sabe que se for tentar alguma coisa irá de contra a corrente da opinião da sua mãe, que agora era tudo que precisava: ser independente de escolhas externas, principalmente da mãe.

Braúlio chega exausto em casa, não fala com todos e apenas vai para sua cama (numa divisória dentro do próprio quarto com Lídia) pensar mais ainda em Luísa. No meio da noite, Lídia o chama para conversar sobre seu dia humilhante e nota o brilho no olhar do seu marido entre aspas. Logo se alegra com Bráulio contando sua experiência de amor com Luísa, mas se chateando depois por achar que nunca conseguirá encontrar um amor de verdade e é consolada por Bráulio. Os dois tem a conversa várias vezes interrompida por súbitos barulhos, que pensam ser empregados arrumando a sujeira da escola de samba que foi a festa de Míriam, mas os passos eram dela mesma indo de encontro com Selton no jardim, e ela faz um delicioso jantar de macarrão instantâneo para arrancar risos e quebrar um sistema de classes entre eles. Logo riso vira beijos acalorados com declarações mútuas, mas é interrompida bruscamente por Selton que vai embora para o quarto... lá fica pensativo no que aconteceu, depois surge batidas da porta familiares. Era Susana com um taça de seu gin noturno em busca de prazer com o seu amante, afinal, ela ainda não estava morta, mas para ele sim. Ela estava morta, porém renascia em Míriam.

Amanhece. Luísa vai para casa depois de um expediente diferente e tinha medo de se acostumar com ele. Numa pequena kitnet no Botafogo, via o movimento das ruas enquanto comia alguma coisa que estava embalada na fruteira e vê um forasteiro na janela. Era Bráulio novamente, pergunta se quer um expediente novo e ele diz que não, queria algo além disso, um expediente que era para pendurar na conta no consentimento dela e para sempre. Ela ri e aceita, logo pegam vão para a Pedra da Gávea para ninguém suspeitar e assim o relacionamento dos dois é cada vez mais consolidado. Depois de meses, Luísa decide largar a prostituição e tentar viver uma vida menos arriscada. Vê um anúncio no jornal para empregada e nesse lugar é na mansão Hafni. Ao ser contratada por Susana, que passa a ter admiração pela garra da garota, ela se depara com Bráulio com a sua família, que a acaba ficando completamente frustrada. Além disso, ela passa a receber investidas de Ulisses que a sufocam a cada dia, mas tem confiança em Eugênio, que passa a ajudar com conselhos ou qualquer coisa que a faça sorrir. Lídia vira a sua melhor amiga e passa a dar a mão para situações constrangedoras pela a casa, já que padecem disso no local o tempo todo.

Susana investiga as saídas de Bráulio na madrugada para ir ao quarto de Luísa para tentar conversar, mas ela o acha um canalha, sempre o ignorando. Mas um dia Susana sorrateiramente vai junto do filho e flagra a conversa. Logo, pega Luísa do quarto e a traz para a sala, humilhando-a dizendo que confiou nela demais para ser uma biscatinha que é amante do próprio filho com a esposa. Mas ela é defendida por Lídia, que leva um tapa de Susana, que a humilha ainda mais chamando de mulher fraca e sem amor próprio, uma ratazana que tem medo de enfrentar os próprios problemas e trata de se juntar a eles se tornando um estorvo. Luísa aproveita a situação em meio ao barraco para ir embora do lugar, pega suas coisas e sai de volta para voltar a sua antiga vida e deixar de importunar Bráulio. Para completar a situação, Ulisses mente para Susana dizendo que ela estava assediando ele na casa, que faz que Bráulio tenha atritos com o irmão com direitos a socos na cara. Míriam aproveita a confusão para invadir o quarto de Selton para sexo, o mesmo se surpreende como ela consegue pensar nisso com o mundo caindo dentro daquela mansão. Olívia chega do plantão com a algazarra toda causado pelo barraco e vê o marido praticamente débil pela dose cavalar de remédios da briga com Bráulio, decide aproveitar oferecer amor para ele e então os dois transam.

Poucos meses depois, Braúlio estava triste pela a falta de notícias de Luísa. Lídia cada vez mais se refugia nos remédios tranquilizantes e não suporta mais viver naquele lar. Susana continua cada vez mais altiva e ignorando todos os problemas ao redor dando biscuit para eles, inflando-os cada vez mais. Eugênio cada vez mais fica estarrecido com a esposa, por simplesmente querer viver a própria vida sem uma coleira dela. Ulisses passa a ser um marido mais consciente com Olívia, tende a perceber que a sua relação com ela só vai fazê-la sofrer, mas ela ainda quer ficar com ele aturando suas loucuras só para tê-lo ao próprio lado. Míriam cada vez mais fica próxima de Selton, que se arrisca mais para manter o seu caso com Susana sem deixar que Míriam saiba disso ou vice-versa, Selton não faz isso por uma canalhice, mas por má administração dos próprios acontecimentos da própria vida, não tem força de sanar coisas que lhe possa custar caro. Bráulio vai até o calçadão fazer uma procura por Luísa e descobre que ela não voltou a prostituição, mas logo ouve que a mesma está trabalhando numa loja de roupas num shopping. Ironicamente, Susana vai até o lugar e faz que ela seja demitida, intimidando Luísa e colocando para que ela seja vítima de discriminação por ser uma ex-prostituta. Bráulio encontra Luísa, mas ela não quer saber mais dele. Susana descobre o caso de Míriam e Selton ficando possessa, então decide propor que ele acabe com o namoro ou além de demitido terá que arcar com as represálias da amante, que além de influente, sente que ter as suas posses ao seu lado é o melhor para se fazer, e ainda esfrega na cara dele que o conseguiu tirar da vida de michê e gogoboy de festas ridículas para dar um status de verdade, dizendo que qualquer rapaz bem intencionado estaria louco para estar no lugar dele. Pressionado, ele faz o que lhe é mandado, mas deixa Míriam entristecida e para completar ela está grávida deixá-la ainda mais desesperada. Já com Olívia, a gravidez vem como uma salvação do seu casamento fadado com fracasso, mas Ulisses reprova a gravidez e a obriga abortar, mas ela decide que vai seguir até o final com o filho pois acredita que aquilo foi um sinal para salvar a vida dos dois, deixando Ulisses furioso e depois de uma noite bêbado tenta agredi-la para Olívia abortar de maneira traumática, mas ela consegue se recuperar ficando completamente destruída sem saber o que fazer, pois levou a um ponto que não quis mais abortar (que era o seu plano se desse algo de muito grave ocorresse no começo).

Bráulio encontra Luísa e logo vai de encontro dela indo retornar para o interior, grávida dele. Mas ele impede e diz que vai largar tudo para viver com ela, mas ela não crê no que ele diz, mas decide ficar na cidade, pois se for ficar sozinha com seu filho numa cidade do interior vai ser bem mais difícil para criá-lo, então deixou o orgulho ir embora. Bráulio sai completamente triste por ser desacreditado por Luísa. Ele decide tramar um encontro com Luísa sem que ela saiba para tentar novamente fazer que ela vá ficar com ele. Mas ele vai fazer isso aos poucos, para que ela não desconfie, primeiramente vai se fazendo de benfeitor dando um emprego numa pizzaria (a mesma de onde tudo começou). Selton sofre com a falta de Míriam e decide contar toda a sua história para ela, que além de viver como chofer/amante de Susana, tem uma família, onde é tem uma namorada e que cria como se fosse filho um enteado. Míriam fica completamente frustrada com a história, mas então ele pede para que o dois vão embora para outra cidade ou viver em outro lugar, antes ele separou um bom dinheiro para sua família através de pequenos mimos acumulados dados por Susana. Olívia e Ulisses acabam brigando e ela esfaqueia o marido sem querer, mas leva críticas de Susana. Lídia e Eugênio cada vez mais depressivos passam a enxergar coisas em comum e acabam quase se beijando.

Bráulio consegue fazer um jantar com Luísa na pizzaria para demonstrar o que fez, mas ele não contava que Susana havia contratado um segurança para vigiá-lo, então ela adentra o lugar e logo passa a menosprezar Luísa dizendo que ela a subestimou muito mais com uma gravidez, com tamanha humilhação, Luísa decide sair da pizzaria com Susana atrás a fim de provocá-la mais e mais, só que nessa fuga, Luísa é atropelada. Susana trata de sair do lugar e ir para a sua casa depois de ver que o “destino” lhe deu uma ajuda divina, mas Bráulio fica lá. Luísa é levada para o Santa Islândia sem que todos saibam. Ulisses sai do hospital e flagra Luísa num quarto medicada, pronta para uma cirurgia urgente, já na sala de cirurgia, Bráulio faz a retirada do feto e vendo que o sangramento não estancava, teve que retirar o útero. Enquanto isso, a Débora vai até o hospital se despedir do irmão dizendo que provavelmente nunca se verão, já que irá para Ushuaia viver lá com Selton. Ele pede para ir junto com ela para o aeroporto, então ela decide esperar pelo semblante triste do irmão, pensando ser por sua partida. No hospital, Ulisses recebe alta e Olívia descobre a presença de Míriam, então ela convence o marido ainda ressabiado com a briga em que tiveram a ir despedir de Míriam em outro carro. Bráulio dirigia o carro com Ulisses e Olívia, enquanto atrás em outro carro vinham Míriam e Selton no volante. Ulisses estava olhando as estrelas aguardando que uma caísse, não em cima dele, mas que pudesse acreditar pela primeira vez em que pedidos pudessem se realizar quando isso acontecesse ou se era uma tolice de criança. Mas ao redor viu um rajada, mas não era poeira cósmica, sim de canos longo de 38 contra outras de 9mm. Ao se virar para o lado, tenta se proteger saindo do veículo chamando Ulisses e Olívia, que saia do carro sem saber que pela tensão sua bolsa havia estourado. Míriam decidiu se esconder no porta-malas do seu carro, ora já teve situações tensas quanto fotografou em Gaza, mas nada chegava tão perto daquilo que estava acontecendo: policiais e bandidos numa troca de tiros numa noite de comemoração do tetra. Comemoração de ambos extremos da ponte Rio-Niterói, mas na transição para a felicidade, o inferno era a grande catraca. Selton decidiu correr para o lado da polícia, mas um policial acaba o atingindo pela escuridão, ainda sem saber discernir civil com um bandido pelo cheiro ou pelo modo de agir... Míriam ouve o grito agonizante do seu namorado, mas é alvejada nas costas por uma bala que parecia uma doce sinfonia de Chopin em que lhe fez rodopiar e cair nos braços de Bráulio, que ainda estava sem entender de como em poucos segundos, uma visão mágica se tornou numa realidade cruel num piscar de olhos.

Ulisses torcia para que fosse para o hospital mais uma vez, mas não por causa de um tiro, mas por querer imediatamente o calmante mais forte que houvesse e lhe viesse esquecer o tudo que estava vendo, se lhe chocava apenas por uma linha horizontal, imagina de visão periférica completa? Debaixo do veículo, soluçava de dor da sua facada na mão ter tirado um dia de mecânica sem querer, e no fundo Olívia o observava com um olhar de inerente como se ele fizesse parte da estrutura do próprio carro. Se deita e olha para trás, vê um homem negro e completamente sujo de sangue... Não, ela não decidiu anotá-lo como mais um nas estatísticas de jovem negro assassinado, mas sim pegar o seu meio de buscar se destacar no proletário e usar para reivindicar seu direito, só que de amar. Essa coisa abstrata que se jura não ter algo para se sentir, mas claro que dá para tocar no amor de várias formas... Olívia por exemplo, sentiu-o num revólver enferrujado. Assim como outras pessoas irão sentir, basta a oportunidade certa. Olívia se arrastou levemente para atrás do marido e friamente calculou alcançar um alvo bem preciso, ela sempre foi boa de mira, mas será que essa vontade de amar lhe atrapalhará ou não? Sai a bala e acerta aproximadamente a vértebra C-7 de Ulisses. Bem, no caso dela, a vontade ajudou e muito...

Ulisses grita com a dor e logo Olívia joga a arma para longe, grita para Bráulio acudi-los rapidamente sem saber também do estado de Míriam. Num vai e vêm, viaturas ajudam a levar Míriam, Olívia e Ulisses para o hospital. Selton morre aí mesmo. Susana é informada do arrastão e de que tudo aconteceu, na mente dela apenas Selton importava, isso estranhou até mesmo os familiares como Lídia e Eugênio. Ao saber da morte de seu amante, Susana ficou chocada e fingiu ir ao quarto se vestir para ir ao hospital cuidar dos filhos, mas fica no banho chorando inconsolável, pois não queria que alguém a visse frágil, sempre falava que “o grande mal da abelha foi sempre deixar o ferrão exposto”, então se a vista fragilizada iam ter brechas para ver seus sentimentos, em que teima em escondê-los.

Bráulio sai para fazer o parto de Débora e Olívia num estado de emergência, ao passar no corredor dos quartos para ir até a sala de cirurgia, ele vê uma enfermeira tentando consolar Luísa pelo parto malsucedido e tudo o que aconteceu na cirurgia, mas ela começa a se desesperar e isso o contagia, então ele olha para frente e corre até a sala de cirurgia. A situação de Olívia piora cada vez mais pelo esforço em que fez durante o arrastão e Débora estava com o pulso já reduzindo a cada minuto. Então foi necessária a realização de um parto duplo, com a ajuda do melhor amigo de Bráulio, Nando (Emílio Dantas) que possui um amor platônico por Débora. Os amigos realizam os dois procedimentos e durante isso, Bráulio começa a ter flashs do que irão acontecer a suas duas irmãs, praticamente. Numa ter um filho solteira de um motorista sem auxílio da família, já que é apenas uma estudante e outra que vai ter um filho em meio a um pai desestruturado com uma esposa fidelizada ao marido que com certeza deixará o filho em segundo plano... Assim numa fração de segundos, ele tenta dar um destino melhor para as duas irmãs assim para as suas duas sobrinhas que estão em suas mãos. Logo passa na sua cabeça, uma imagem de Luísa sofrendo por tudo que fez e logo outra em que há um pedido de certeza de que ele a amava, mas então entra um pedido de súplica de Débora no arrastão com uma conversa franca e confidente de Olívia em seus pensamentos, logo passa a estar tão confuso ao ponto de não saber o que fazer durante a cirurgia, em que é amparado por Nando. Então ele manda as enfermeiras deixarem a crianças na sala de exames dos fetos nas incubadoras para que somente ele e Nando examinem as crianças, Nando pede o motivo do pedido, mas Braúlio reluta em confiar nele e pedir que o amigo faça o que ele está dizendo. Logo, o pedido é feito e as enfermeiras obedecem. Míriam é levada para outro centro para que sua bala seja retirada e Olívia é mandada para a UTI, mas logo fica consciente no quarto para saber o resultado, não do seu parto, mas do sua loucura em cima de Ulisses, que está em coma e não pode ser operado pela lesão ter sido num local de difícil acesso e só um traumatologista de confiança se arriscaria a fazer isso, então Olívia cada minuto que passava queria melhorar para conseguir ainda mais realizar seus objetivos. Bráulio e Nando vão para a sala de exames e anuncia que vai entregar as sobrinhas à outra paciente e não para Míriam e Olívia. Nando se desespera e começa a achar que eles terão seus diplomas cassados, sendo um caso de impressa que iria acabar com a carreira e reputação de ambos os dois e indo de junto também, o hospital da família Hafni. Bráulio diz que isso não é ético, mas é para a felicidade de todos, que aquele sacrifício é preciso, principalmente para que ele enfim consiga Débora, que sempre o ignorou, pois o via como um amigo do irmão. Bráulio e Nando fazem um acordo que tudo que aconteceu ali fica e não sai mais, então Nando providencia obituários falsos de crianças mortas para as duas mães e Bráulio vai até o quarto de Luísa, que nessa altura já havia recebido alta, por entrar bem antes no hospital e de já estar recuperada da cirurgia. Luísa rechaça Bráulio, mas se espanta com ele entregando uma prova de amor para ela e fica desesperada pensando que ele roubou aquilo de alguém começando a estapeá-lo. Bráulio diz que são crianças o hospital está sob custódia, pois as mães não podem cuidar deles e as entrega como uma jura de que ele sempre a amaria. Luísa decide voltar para Barretos-SP, onde nasceu e decide ir embora do Rio de Janeiro após perceber as circunstâncias que tudo está tomando, mas antes decide deixar as garotas num abrigo do Estado para evitar problemas, mas desiste e as leva para um cartório próximo e consequentemente vai para sua antiga cidade em busca de conforto. Bráulio, achando que ia conseguir Luísa de volta, percebe que ela foi embora numa carta deixada para uma amiga e nela afirma que deixou as meninas num abrigo qualquer, pois sabia que aquilo foi algo completamente impulsivo e egoísta, ele se desespera vendo que fez tudo aquilo à toa, e isso se agrava mais quando Débora acorda e descobre o que aconteceu, simplesmente desaba e fica completamente depressiva.

Olívia fica possessa com a notícia da morte da filha que fica desesperada, pois o seu alicerce para Ulisses acabou indo por água abaixo, ela pretendia fazer um transplante de medula falso para fazer que o marido entendesse a importância da vinda da criança. Ela então vai até o quarto de Ulisses com uma substância anticoagulante numa seringa e assiste os médicos fazerem uma bateria de exames para simplesmente fazer uma cirurgia de emergência aparecer, como seu parto foi normal, logo ela se recupera e vai tentar realizar mais uma tentativa desenfreada de ter o marido para si, só que numa escala irreversível. Durante a cirurgia, ela injeta células-tronco de tipo sanguíneo errado em Ulisses para a sua lesão gerar uma sepse forçada, ao mandarem todos da sala de cirurgia buscarem drogas para barrar o efeito da sepse, ela vai com um bisturi na lesão e corta a espinha na área da lesão fazendo que Ulisses fique tetraplégico para sempre. Quando os médicos e enfermeiros retornam com as drogas, ela termina a cirurgia dizendo que ela fez tudo o que deu, mas ele terá sequelas irreversíveis. Ulisses ao acordar, percebe o que aconteceu e desaba com o seu estado, se vendo completamente inútil pede para que a esposa faça uma eutanásia nele, mas ela se recusa e disse que terão que viver juntos, e dessa vez para sempre.

Lídia e Eugênio cada dia mais se veem próximos e dessa vez tem uma noite de amor, na cama de Susana, para afrontá-la e nisso acaba deixando ela grávida de um menino chamado Marcelo, que obviamente será pertencido a Bráulio. Luísa em Barretos, é cortejada por um peão chamado Expedito ou melhor dizendo: Dito, um rapaz bruto, mas de bom coração pede para se casar com ela após ver seu doce sorriso e também por causa das duas meninas chamadas Eva e Lia. E assim os dias passam cada vez mais...

Barretos. 2017. Eva (Carol Duarte) e Lara (Luísa Arraes) são duas garotas de 23 anos que além de irmãs, são confidentes e acima de tudo: melhor amiga uma da outra. Luísa (Deborah Evelyn) se sente feliz com a vida simples que leva com o marido Dito (Marcello Novaes), é respeitada pela cidade pela sua clínica veterinária além de um haras que construiu com o marido. Já no Rio, a família Hafni passa pela sua normalidade: o caos. Susana continua ainda mais possessiva e Eugênio está menos louco por igualdade por que o sua luta nem é preciso de esforço, ela vem de encontro dele sempre: Lídia (Ângela Vieira) continua como amante. Só que dessa vez, ele trouxe para irritar ainda mais Susana, uma filha de uma traição rotineira: a peste Lurdinha (Juliana Paiva). Lurdinha é uma garota espevitada e que gosta de provocar, principalmente a madrasta, usando seus cremes caros, pregando peças como se fosse uma criança de 5 anos e soltando diretas sobre sua idade colocando uma nova alcunha à Duquesa da Gávea: Duquesinha do Cretáceo. Lurdinha tem virado a cabeça dos motoristas e principalmente de Nando (Danton Mello) que se casou com Débora (Mariana Ximenes), mas a esposa é uma pessoa diferente, não é mais “a flor mais linda do jardim”, continua aflorando só que de forma murcha. Desde o que lhe aconteceu naquela noite do tetra, ela não consegue mais esquecer, tem crises de pânico frequentes, além de tremores e depressão.

Isso deixa Bráulio (Marco Ricca) cada vez mais culpado e Nando praticamente todos os dias o culpa pela infelicidade do casamento dos dois, eles não conseguem mais filhos pelo emocional de Débora que aborta espontaneamente e não a felicidade deles depende de filhos, mas também de intimidade como casal, que não há praticamente nenhuma. Bráulio, além disso, tem que se virar com as divergências entre os filhos Hugo (Jayme Matarazzo [que mesmo trintão é bom para convencer como adulto de 25]) e César (Ghilherme Lobo [coloco a minha panela mesmo]). Um é mais responsável e o outro é mais inconsequente por ser um adolescente e mimado pela avó. Hugo se formou em veterinária e logo irá para o interior de São Paulo para fazer residência e com isso abandonou com as conversas que tinha com o tio Ulisses (Thiago Fragoso) que aparentemente mudou, é um homem mais desiludido, triste e sem muita cor, pois se sente castigado pela vida.

Olívia (Juliana Silveira) é uma mulher que cada dia mais olha para o marido com mais amor, troca plantões pela presença dela em casa, simplesmente fez uma situação perfeita para tê-lo ao lado. Mas a chegada de uma cuidadora imposta por Susana, Laila (Míriam Freeland) vai por uma cisma nessa relação “simplória”. Laila faz Ulisses se sentir vivo e cada vez mais feliz, ela o incentiva a ser independente e aos poucos eles acabam rompendo barreiras em relação de enfermeira e paciente. Laila faz Ulisses se sentir útil e não uma pessoa dependente de alguém como Olívia faz, que por sinal já trata de por suas garras para evitar que ela roube o seu marido, em que houve tanto esforço próprio para deixá-lo no estado em que queria. Farsas de roubos, ameaças corporais, mentiras são as armas de Olívia, que acabam afastando que gosta dela, como Bráulio. Olívia passa a maltratar o marido para evitar que ele melhore, o agride verbalmente mas se arrepende, mas quando ele torna a se aproximar de Laila, ela comete até loucuras de queimá-lo com desodorante aerossol. Laila e Ulisses terão que buscar ajuda para ele e principalmente para Olívia que cada vez mais está num estado de MADA, mas ela não percebe e acha que ser MADA é agir como uma louca, mesmo sem notar tudo que já fez e fica determinada em conseguir fazer qualquer coisa para manter o casamento, até mesmo ferir gravemente.

Lia viaja para o Rio de Janeiro numa viagem de laboratório da faculdade e logo esbarra em César na entrada do Museu do Amanhã. Os dois trocam farpas, mas logo se rendem a paixão. A mando de Dito, Luísa vai junto com a filha e na praia, ela e Bráulio se encontram e ela decide fugir dele para que ele não pegue as filhas de volta, mas ele na verdade só queria vê-la novamente e dizer o quão a ama. César engravida Lia e ela se desespera, o que era para ser um laboratório de três meses virou um tormento. E Lia fica cada vez mais desesperada por causa da reação do pai, que com certeza, colocará para fora de casa. Luísa decide ficar lá até a filha de Lia nascer e então irem para casa. Depois de 10 meses e muita procura por mãe e filha, Dito é surpreendido com a chegada de Luísa e Lia, e a mãe num ato de sacrifício assume uma traição na frente do próprio marido para cobrir uma inconsequência da filha. Dito coloca Luísa para fora de casa e fica com a imagem de corno marcada pela comunidade, que, além disso, fica estremecida com a chegada de Hugo ao haras e Eva se encanta pelo jovem. Os dois começam a se envolver, mas Lia também se interessa por Hugo e decide dizer que a paternidade do seu filho é de Hugo para Dito para que os dois se separem. Dito descobre que o homem que lhe pôs um “galho” era muito mais jovem que ele e então tem um infarto fulminante após desafiá-lo para uma peleja. Eva termina tudo com Hugo e ele diz que tudo passa de uma confusão e de que foi o seu irmão que engravidou alguém da família dela e não ele. Ela não acredita e dias depois, Lia e Hugo se beijam perto do riacho. Eva vê a cena e chora, então pega suas roupas e vai para o Rio de Janeiro tentar a própria sorte e logo que chega para lá, Bráulio a atropela e novamente se atrela à um sorriso lindo que vê num jogo de futebol. Então, Eva se hospeda no casarão dos Hafni como uma hóspede como uma espécie de troca de favor em meio ao atropelamento, quando ela melhorar, ela poderá ir embora. César se apaixona por Eva, mas ela só tem olhos para Bráulio, e logo depois se beijam ao luar, mas à vista de Susana, que cada vez mais está sem poderio naquele lar. Perdeu o seu grande amante, perdeu seu marido para várias amantes, perdeu seus filhos para o destino... o que lhe resta? Simplesmente interferir na vida dos filhos e também tentar encontrar a paternidade certa de dois filhos dela, já que apenas Bráulio é seu filho biológico com Eugênio. Susana se encanta por um novo paciente no Santa Islândia: Dito. E mais nada pode lhe saciar seu desejo sexual do que um belo peão bruto para tratá-la como objeto. Luísa e Lia vão para o Rio, lá se deparam com Eva se envolvendo com Bráulio e também César encontra Lia para saber do que aconteceu com o seu filho. Míriam passa a se envolver com o enteado de Selton, o dependente químico Renan (Bruno Gagliasso), que mais tarde se descobre mais uma das traições de Eugênio com várias mulheres. Luísa é confrontada por Dito para saber se Hugo é o pai do seu filho, mas ela encontra Bráulio e o faz jurar que é o pai de seu filho como uma prova, um pacto de amor. Então Bráulio surge e diz ser pai do irmão de Eva, que simplesmente desaba.

E o que vai acontecer mais? Bráulio e Luísa vão ficar juntos? Míriam e Renan vão conseguir lidar com os obstáculos de Susana? Eugênio vai oficializar Lídia como amante? Olívia vai deixar de ser uma MADA? Ulisses perdoará Olívia (acho que nem é tão imprevisível pensar isso)? Leila e Ulisses ficarão juntos? Lurdinha e Nando vão deixar do jogo da Lolita para se assumirem de verdade? Míriam e Olívia vão descobrir a verdade sobre as filhas? Qual será a consequência de Bráulio pelos atos que fez quando forem revelados? Eva e Lia vão se entender?
avatar
J
Admin

Mensagens : 15
Data de inscrição : 14/01/2016

Ver perfil do usuário http://gmonstuosos.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum